PUBLICIDADE

Ele está ali, meio escondidinho na porção anterior da vulva, mais precisamente entre os pequenos lábios e apesar de parecer tão inofensivo, tem um papel fundamental no cotidiano de toda a mulher: proporcionar o prazer. Se você ainda não reconheceu o órgão da descrição, nós apresentamos sem mais delongas: esse é o clitóris. A única parte do corpo humano que tem única e exclusivamente a função de proporcionar orgasmos.

Para comemorar o dia internacional da mulher, o Sexlog quis saber mais sobre o comportamento feminino quando o assunto é seu clitóris. De acordo com a rede social, 41% das mulheres revelaram estimular o órgão todos os dias, enquanto 39% se masturbam de duas a três vezes por semana. A prática, no entanto, é realizada uma vez por semana por 13% das respondentes e apenas 7% disseram se tocar quinzenalmente.

Perguntadas quando descobriram que tinham prazer nessa parte do corpo. A pesquisa, realizada com cerca de 800 mulheres, mostrou que 62% conheceram essa fonte de orgasmo ainda na adolescência (entre 13 e 18 anos). Segundo a rede social, 25% tiveram seu primeiro contato com seu próprio clitóris na juventude (entre 19 e 29  anos), 11% fizeram a descoberta já adultas, depois dos 30 anos e apenas 2% revelaram ter começado a estimular a área depois dos 40.

A parte visível do clitóris é pequena, mas quando estimulado, chega a ter uma pequena ereção, aumentando de meio a dois centímetros. Como é formado por um tecido erétil, ele tem a capacidade de esticar quando a mulher fica com tesão e essa tarefa nem é tão difícil, já que o órgão possui milhares de terminações nervosas preparadas para receber carícias.

A pesquisa realizada pelo Sexlog revelou também que o jeito que as mulheres mais gostam de receber estímulo no local é com as mãos (57% das respostas), enquanto o sexo oral também é uma boa pedida (29% das escolhas). No mercado de sex toys há uma infinidade de modelos preparados para agradar todos os gostos e foram os brinquedinhos a escolha de 8% das mulheres. Almofadas e travesseiros também podem ser aliados na hora que o tesão bate e 5% das respondentes confessaram que já utilizaram os objetos para apagar o fogo.


Menos tabu, mais tesão
A masturbação feminina ainda é tabu em muitas sociedades, mesmo com o avanço da comunicação e do diálogo. A diretora de marketing do Sexlog, Mayumi Sato, defende que o assunto seja mais debatido para combater preconceitos e, principalmente, para que as mulheres conheçam seu próprio corpo. “Além de autoconhecimento e autocuidado, a masturbação é uma etapa fundamental para se permitir ter prazer com o outro. Assim, a gente é capaz de saber do que gosta e do que não gosta, e de guiar nossos parceiros ou parceiras por esse caminho para relações mais prazerosas para todos os envolvidos”, diz.

Mayumi também ressalta que aprender a estimular o próprio corpo é se permitir ter um momento seu. “Primeiro que masturbação é uma delícia! E a gente merece ter momentos de prazer, relaxamento, de não pensar em nada. Depois de um dia difícil, ao acordar numa manhã preguiçosa… masturbação é importante, porque nem sempre é num sexo a dois que a gente vai querer ou poder buscar essa sensação!”, completa.

A busca do prazer de homens e mulheres, solteiros ou casados é uma das missões do Sexlog, por isso, a todo momento há pesquisas de novidades tanto no mercado de sextoys, quando de massagens e técnicas. “Esse conhecimento sobre o prazer é algo em constante evolução, toda hora tem coisa nova surgindo e nós usamos tanto o nosso canal no youtube, quanto as redes sociais para compartilhar o que aprendemos”, finaliza Mayumi.